O Problema do Tráfico Humano

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima conservadoramente que 3,8 milhões de adultos e 1 milhão de crianças com menos de 18 anos estejam atualmente sob exploração sexual forçada. 99% deles são mulheres e meninas. 73% de todas as vítimas são da Ásia. O tráfico de seres humanos é a principal razão para esse grande número. 74% de todas as vítimas de exploração sexual forçada vivem fora do país de nascimento. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que o tráfico de pessoas gera U$ 32 bilhões (dólares) por ano. 85% dessa quantia provém do tráfico de seres humanos para fins de exploração sexual.

As vítimas de tráfico no Nepal são frequentemente levadas para a Índia, Oriente Médio e outros países, principalmente na Ásia, e são forçadas a se tornarem prostitutas, empregadas domésticas, mendigas e escravas trabalhando em fábricas, minas ou circos. No entanto, é para a exploração sexual que a maioria das vítimas é traficada. Estima-se que 12.000 mulheres e crianças são traficadas somente para a Índia para esse fim a cada ano.

Os nepaleses são um alvo atraente no mercado de prostituição por causa das qualidades físicas que possuem. A miscigenação da China e da Índia resultou em características físicas que são vistas como bonitas e exóticas. Existe uma discriminação generalizada na Índia e no Nepal contra as pessoas de pele mais escura. Produtos de branqueamento de pele são anunciados abertamente na TV, jornais e revistas. Portanto, a pele mais clara das meninas nepalesas é muito atraente para traficantes e clientes.

O tráfico sexual na Ásia

Maiti Nepal, Child Workers in Nepal e a Comissão Nacional para Mulheres na Índia estimam que hoje existem cerca de 200.000 mulheres nepalesas, a maioria delas com menos de 18 anos, trabalhando nos bordéis da Índia. Existem muitas causas e ramificações relacionadas à “venda de meninas”, incluindo as seguintes:

Com famílias numerosas com recursos limitados para atender às necessidades básicas, muitos pais se tornam presas fáceis para os traficantes. À eles são oferecidos dinheiro e promessas de educação para seus filhos, assim, muitos pais são seduzidos pelas mentiras do traficante.

Como o tráfico acontece

Quando as meninas chegam aos bordéis, elas já estão em dívida. As despesas com alimentação, transporte, roupas e tudo o mais que eles supostamente gastaram no caminho para o novo país são as dívidas que agora elas terão que pagar. Se eles quiserem sair, terão que pagar suas dívidas, uma quantia que geralmente aumenta dia a dia. O dinheiro que eles ganham geralmente é levado pelo dono do bordel e, portanto, elas nunca podem pagar a dívida. Elas são forçadas a se submeter ao trabalho. A outra opção é tentar escapar. No entanto, as ameaças, a vigilância rigorosa e a conivência policial com traficantes e donos de bordéis desencorajam sua fuga.

As meninas não têm acesso a comida suficiente e recebem de 3 a 40 clientes por dia nos bordéis, com uma média de 14 clientes. Elas são submetidas a tortura física e psicológica e são muito vulneráveis a uma variedade de doenças sexuais, uma vez que poucos clientes usam preservativos.

Não há medo de contrair a Aids e ainda há poucas informações sobre prevenção, fatores exacerbados pelo modo de pensar nepalês e indiano – fatalistas e descuidados, principalmente sobre prevenção. Todos esses fatores propiciam a disseminação de doenças.

Muitas meninas traficadas contraem o vírus HIV antes dos 18 anos. Muitas sofrem e algumas morrem devido a doenças, infecções, desnutrição ou tentando escapar.

Apesar das restrições da lei indiana, as clínicas e serviços de aborto são anunciados publicamente em pôsteres nas ruas, incluindo preços. Existem clínicas que cobram 10 dólares para realizar um aborto, mas isso pode ser feito por muito menos em clínicas domésticas.

Uma pesquisa realizada pela Organização Indiana de Saúde de uma área de luz vermelha de Bombaim mostra que 20% das meninas que estão em bordéis são menores, algumas delas até com menos de 10 anos de idade.

Outras organizações afirmam que a porcentagem de meninas jovens forçadas a prostituição na Índia é maior, cerca de 60%. O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes descobriu que 36% das pessoas traficadas em 2007-2009 eram crianças (33% meninas e 3% meninos).

Muitas crianças, algumas com menos de 10 anos de idade, estão indiretamente envolvidas na prostituição, uma vez que é trabalho de suas mães. As crianças que vivem em ambientes sexualmente promíscuos tendem a crescer seguindo o mesmo caminho da mãe. Elas não são apresentadas a outros ambientes com menos oportunidades prejudiciais. Elas começam a mendigar quando muito pequenas e, assim que são pré-adolescentes, começam ativamente na prostituição.

As crianças são muito mais valiosas no mercado de tráfico de seres humanos porque não passaram por uma experiência sexual. Os pré-adolescentes ou adolescentes também são de alto valor no mundo do tráfico por serem vistos como atraentes e inocentes.

Histórias sobre garotas bonitas e, às vezes, crianças sendo levadas à escravidão sexual, geralmente incluem tratamento de princesa e estadias em hotéis de luxo. Os negociantes entram em contato com clientes ricos anunciando: “uma garota virgem está à sua disposição”. Após o acordo, a menina é mantida pelo cliente por alguns dias. O lucro para o negociante é exorbitante. Quanto mais nova a criança e mais bonita, maior a quantia paga por ela. Seu valor diminui com o tempo, até que valem alguns centavos para cada encontro.

Seu Suporte é Vital!

Menu